domingo, 21 de fevereiro de 2010

Servidor não-estável pode ser exonerado do cargo sem precedência de um P.A.D.

O STJ vem reiterando, apesar de algumas fortes críticas doutrinárias, o entendimento segundo o qual para exonerar servidor público em estágio probatório dispensável seria um processo administrativo disciplinar, bastando, para tanto, um procedimento administrativo simplificado, garantido um mínimo de contraditório e de ampla defesa ao "investigado". Isto por conta da exegese que vem sendo conferida ao art. 41 da Constituição Federal, que restringe ao servidor "estável" (três anos de efetivo exercício no cargo) a garantia de somente ser "colocado para fora" do cargo, mediante processo administrativo disciplinar com contraditório (ampla defesa) ou mediante setença judicial da qual não caiba mais recurso. Então, contrario sensu, o servidor que ainda não é estável poderia, em tese, ser exonerado, sem a exigência de um processo administrativo disciplinar. Polêmico!!!
Mas, vamos ao inteiro teor da notícia disponível no portal do STJ, referente ao julgamento do RMS 20934:

Processo administrativo disciplinar é desnecessário para exoneração em estágio probatório

Para que um servidor em estágio probatório seja exonerado do cargo devido à apuração de que não está apto ao exercício das suas funções não é necessária a instauração de processo administrativo disciplinar. O exigido, nesse tipo de caso, é que a exoneração “seja fundamentada em motivos e fatos reais e sejam asseguradas as garantias constitucionais da ampla defesa e do contraditório”. Com base nesse entendimento, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou provimento a recurso em mandado de segurança interposto por um investigador de polícia de São Paulo, exonerado em tais circunstâncias.
O investigador argumentou que houve ilegalidade em sua exoneração, uma vez que esta aconteceu de forma sumária e que ele não respondeu a processo administrativo disciplinar. O servidor foi demitido por violação ao artigo 1º da Lei Complementar paulista n. 94/86, que trata da carreira de policial civil do quadro da secretaria de Segurança Pública de São Paulo. Segundo o artigo, uma das prerrogativas para ingresso na carreira é ter conduta ilibada na vida pública e privada. M.A.C., no entanto, figurou com réu em processo criminal na época do estágio.
Como argumento para questionar a nulidade da exoneração, ele confirmou que foi absolvido do processo por insuficiência de provas. Apesar disso, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) considerou que a absolvição não tem influência na esfera disciplinar, em face da independência das instâncias administrativa e criminal. Sobretudo porque sua saída do cargo ocorreu pelo fato de não cumprir com o que estabelece a Lei - no tocante à conduta ilibada.
Simplificação
Para a relatora do processo, ministra Laurita Vaz, a jurisprudência do STJ e do Supremo Tribunal Federal (STF) são a de ser possível fazer a avaliação do estágio probatório em procedimento simplificado, como foi adotado no caso. Além disso, assim que foi instaurado procedimento administrativo relativo à avaliação do seu estágio probatório, o policial foi notificado pessoalmente para oferecer resposta escrita sobre os fatos a ele impugnados – defesa que apresentou dois dias depois. Sua exoneração foi homologada após avaliação e votação do procedimento por parte do Conselho da Polícia Militar de São Paulo, que entendeu que o impetrante não preenchia os requisitos elencados na lei para ser confirmado na carreira.
“Dessa forma, inexiste qualquer ilegalidade na condução do procedimento administrativo para a não confirmação do impetrante ao cargo, o que afasta também suas alegações de não ter sido observado o devido processo legal, com o contraditório e a ampla defesa que lhe são inerentes”, afirmou a ministra Laurita Vaz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.